Alexsom

Alexsom

GLASTONBURY 2017

CALENDAR JAZZ

MONTREUX ACADEMY 2017

Colour Me Free! - Joss Stone

Amy Winehouse Foundation

PLAYING FOR CHANGE

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Maroon 5 e Keane em São Paulo | Crítica Bandas se apresentam para quase 30 mil pessoas na Arena Anhembi


27 de Agosto de 2012

Maroon 5- 1
Maroon 5 - 2
Maroon 5 - 3
Maroon 5 - 4
Keane - 1
Keane - 2
O último show da turnê do Maroon 5 no Brasil foi um dos maiores da carreira do grupo. Diante de uma plateia de 30 mil pessoas, os californianos misturaram antigos sucessos a novos singles, em uma apresentação que ainda teve covers de Skrillex, Michael Jackson, Justin Timberlake e White Stripes. "Quando soube que vendemos essa quantidade de ingressos não acreditei, é o maior show que fizemos em uma turnê própria", disse o vocalista Adam Levine durante a apresentação.
Às 21h30, de preto e com calças justas, os cinco integrantes do Maroon 5 entraram no palco. Com uma jaqueta de couro e ainda de costas para o público, Levine acompanhava com os quadris os primeiros acordes de "Payphone", hit do disco que dá nome à atual turnê, Overexposed. O público, majoritariamente feminino e adolescente, cantava com histeria e entusiasmo cada verso da canção. Sem parar, o grupo emendou um breve trecho de "Don't Stop Til' Get Enough", de Michael Jackson, antecipando a chegada de "Makes Me Wonder", sucesso do segundo disco, It Won't Be Soon Before Long.
Em constante contato com o público, Levine repetiu a performance elétrica do show mostrado no Rock in Rio 2011, e a cada passeio pelo palco provocava mais reações das fãs. Voltando para o novo disco, "Lucky Strike" foi a música da vez, seguida por "Sunday Morning", hit de 2002, do álbum de estreia da banda, Songs About Jane. Além de versões mais vigorosas para as músicas, o que deixou a apresentação mais dançante, o grupo apresentou um belo trabalho cenográfico, apoiado por telões sobrepostos que misturavam luzes e imagens distorcidas. Depois de 15 minutos de música ininterrupta, os primeiros agradecimentos e o contato direto com o público.
No momento das baladas, ficou clara a mudança de arranjo, quando "Whipe Your Eyes" e "I Won't Go Home Without You" ganharam uma pegada mais pesada. A maior novidade veio logo em seguida, com a introdução de "Harder To Breath" feita ao som de "Scary Monsters And Nice Sprites", de Skrillex, cujo dubstep domina boa parte das pistas de música eletrônica atualmente. Antes de seguir para o bis, Levine mais uma vez se virou ao público e disse que aquela era a primeira vez que eles tinham vendido 30 mil ingressos antecipadamente. "Essa é uma noite mais do que especial para nós, muito obrigado por tudo isso." "One More Night", "Hands All Over" e "Wake Up Call" continuaram o ritmo eletrônico da apresentação e prepararam terreno para os grandes sucessos que faltavam para encerrar o show.
"Misery", de Hands All Over (2010), fez as fãs levantarem placas e cartazes com os dizeres "Oh Yeah" para acompanhar o refrão da música, que foi todo cantado pelo público. Após apresentar todos os integrantes, foi a hora de Levine comandar a plateia em "This Love", música que levou a banda ao estrelado em 2002. Na volta da pausa, o guitarrista Michael Madden assumiu os vocais, revelou Levine na bateria e deu início a mais um cover, desta vez de "Seven Nation Army", do White Stripes. Preparando o público para os últimos instantes do show, a balada "She Will Be Loved" foi tocada somente com voz e violão e seguida por "Daylight" - tida pelo vocalista como a sua música preferida do novo disco. "Moves Like Jagger", sucesso das pistas de dança e um dos singles mais tocados de 2011, foi a música escolhida para encerrar o show. Levine começou com um medley de "Don't You Wanna Be My Baby", do Human League, e "Sexy Back" - no megafone -, de Justin Timberlake, para então pedir a todos que não parassem de dançar até o fim da música.
A mudança nos arranjos das canções e a inclusão de novos estilos, combinados com uma performance eletrizante de Levine, fazem do show do Maroon 5 um grande espetáculo pop. Há lugar para baladas melosas, hits dançantes e experimentações musicais inovadoras, sempre executadas de maneira infalível. O sistema de som do Anhembi não ajudou em certos momentos, defeitos técnicos ocorreram durante a segunda parte do show e quem estava na pista comum pediu um volume mais alto. Os dois telões de alta definição ao lado do palco foram uma ótima saída para quem não conseguia enxergar a banda de perto, e pode acompanhar melhor a apresentação da banda californiana.


Os ingleses do Keane

Antes do Maroon 5 entrar, subiu ao palco Javier Colon, vencedor do reality show The Voice, e, em seguida, a banda Keane. Formada por quatro ingleses, todos de camiseta social e aparência de bons moços, o grupo chamou atenção de quem ainda não conhecia o seu trabalho. A ausência de guitarras elétricas e o constante uso de sintetizadores fez boa parte do público - que aos poucos lotava a arena - simpatizar e dançar com a banda.
Apesar de ser a atração secundária, os ingleses entregaram uma apresentação cheia de entusiasmo. "Vocês nos fizeram sentir como se fóssemos os headliners, muito obrigado", disse o vocalista Tom Chaplin, sem exagero. Apesar de ter um som que combina com shows mais intimistas, boa parte de suas músicas foram cantadas em alto e bom som. Canções como "Everybody's Changing" e "Crystall Ball" foram as mais entoadas pelo público, que se empolgou de verdade em "Somewhere Only We Know", balada-símbolo do grupo, lançada em 2004, no disco de estreia Hopes and Fears.
Entre os singles do novo disco, Strangeland, "You Are Young" e "Silenced By The Night" foram os mais cantados. Para decepção dos fãs mais ardorosos, "Disconnected", uma das melhores faixas do disco, não foi tocada. E para surpresa de alguns, antes de cantar "Sovereign Light Cafe", Chaplin lembrou que a canção foi escrita em São Paulo, no ano passado, durante a última passagem da banda pelo país.
No fim do show, os britânicos agradeceram a calorosa recepção do público, prometeu voltar em 2013 e - com rara humildade para uma banda que emplacou cinco álbuns no primeiro lugar de vendas do Reino Unido - apresentou seu site oficial e pediu para que ouvissem mais do seu trabalho. Chaplin e seus companheiros devem ter ficado tranquilos, depois da pequena mas bela apresentação feita na noite de domingo no Anhembi, o Keane ganhou um bom número de fãs brasileiros.
Fonte:Omelete

0 comentários: