Alexsom

Alexsom

GLASTONBURY 2017

CALENDAR JAZZ

MONTREUX ACADEMY 2017

Colour Me Free! - Joss Stone

Amy Winehouse Foundation

PLAYING FOR CHANGE

terça-feira, 22 de maio de 2012

Festival Lupaluna agita frio de Curitiba e coroa sucesso de Criolo e Céu

Vitor Augusto 
45 mil pessoas estiveram presentes nos dois dias de festival
No último final de semana a cidade de Curitiba recebeu a quarta edição do Festival Lupaluna. Grandes shows marcaram os palcos na sexta e no sábado. O público não desapontou apesar do intenso frio. Cerca de 45 mil pessoas compareceram e puderam presenciar grandes shows como o do Los Hermanos, que trouxe sua turnê comemorativa de 15 anos a capital parananense.
Mas antes deles subirem ao palco principal, o grande destaque do festival ficou com os shows que aconteceram na Arena Mundo Livre. Apesar de menos badalados que bandas como Jota Quest, Skank e Nando Reis, quem se apresentou no palco menor não decepcionou. Na sexta quem roubou a cena foi a cantora Céu, que acabou de voltar da Europa com a turnê de seu novo disco, “Caravana Sereia Bloom”.
Mesmo com o atraso de quase uma hora ocasionado por problemas técnicos, Céu fez um show impecável. A voz aveludada e imponente prendeu a atenção de quem passava por ali. A arena ficou pequena e o público, em sua maioria masculino, ficou hipnotizado com as danças sensuais que ela fazia no palco. Grande parte das músicas escolhidas do repertório fazem parte do último CD, mas houve também espaço para clássicos como “Malemolência”. Com todo o swing, Céu conquistou o público e fez um dos melhores shows do festival.
Vitor Augusto 
Amarante e Camelo demonstraram afinidade no palco
Ainda na noite de sexta a grande expectativa era a apresentação do grupo Los Hermanos, que subiu ao palco principal pontualmente às 23h40. E como era esperado, eles não desapontaram seus fiéis seguidores, que cantaram a plenos pulmões todas as canções do início ao fim de uma apresentação de 1h30. Hits como “O Vencedor”, “Além do Que Se Vê” e “Todo Carnaval Tem Seu Fim” espantaram o frio e fizeram a plateia pular. Amarante e Camelo mostraram que apesar do tempo separados a sintonia ainda existe. Simpáticos, conversaram muito com os fãs e agradeceram o carinho. Teve espaço até para a eterna “Anna Júlia”, que há muito tempo não era tocada ao vivo. Encerraram o primeiro dia de festival Seu Jorge e a Banda Mais Bonita da Cidade.
Vitor Augusto 
Marcelo D2 fez uma participação no show do Buena Vista
No sábado, a grande surpresa no palco principal foi a Orquestra Buena Vista Social Club Featuring Omara Portuondo. O ritmo envolvente da salsa cubana fez balançar até os mais jovens que muito provavelmente nem conheciam o grupo que estava no palco. Apenas quando tocaram grandes sucessos como “Quizás, Quizás, Quizás” é que o grande público cantou junto. Eles ainda contaram com as participações especiais de Marcelo D2 e Zeca Baleiro, que cantou “Só Vendo Que Beleza (Marambaia)”.
Divulgação 
Criolo foi venerado pelo público curitibano
Depois que o clima cubano encerrou sua calorosa apresentação, todas as atenções se voltaram para a tenda Arena Mundo Livre, onde se apresentou o rapper Criolo. Arnaldo Antunes, que estava no palco principal, cheio de convidados especiais como Mallu Magalhães, não conseguiu segurar o público, curioso para conhecer a revelação da música nacional. E a arena ficou pequena para a multidão que venerou Criolo e tinha na ponta da língua todas as canções. O estilo apesar de ser rotulado como rap, flutua facilmente por outros sons como samba e reggae. Com apenas dois discos lançados, Criolo apresentou quase que na íntegra o elogiado “Nó Na Orelha”, do ano passado. Acompanhado de Daniel Ganjaman, o rapper conquistou o fechado público curitibano que cantou em uníssono coro músicas como “Não existe amor em SP”. Missão cumprida e o título de melhor show do Lupaluna. A tarefa de encerrar o festival ficou com Charlie Brown Jr. e depois a atração internacional Smash Mouth.
Isabela Fantinato

0 comentários: