Festivais de Verão 2018

Festivais de Verão 2018

Alexsom

Alexsom

LOLLAPALOOZA BRASIL 2018

Coachella 2018

CALENDAR JAZZ

MONTREUX ACADEMY 2017

Colour Me Free! - Joss Stone

Amy Winehouse Foundation

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

20 anos sem Freddie Mercury: história ilustrada do Queen narra inventividade da banda mais eclética da história do rock

  • O cantor Freddie Mercury durante show do grupo Queen, em Sydney, Austrália, em 1985 O cantor Freddie Mercury durante show do grupo Queen, em Sydney, Austrália, em 1985
O Queen nunca esteve na moda nem foi uma banda queridinha da crítica --o que não impediu que vendesse mais de 300 milhões de discos no mundo todo e se tornasse um fenômeno de shows em estádios. O Queen, aliás, foi o primeiro grupo estrangeiro a, no auge da carreira, se apresentar no Brasil, num show megaproduzido, em 1981, no Morumbi (São Paulo). 
 
Aos 40 anos, e coincidindo com os 20 anos de morte de Freddie Mercury, completados nesta quinta-feira (24), o grupo britânico ganha uma biografia, "Queen - História Ilustrada da Maior Banda de Todos os Tempos", que acompanha sua trajetória desde a origem universitária até os concertos apoteóticos pelo mundo afora, e tenta desvendar o que está por trás desse amor incondicional dos fãs e da relação conflituosa com a crítica.
 
No caminho, revela o processo de criação de sucessos como "Bohemian Rhapsody", "We Are the Champions", "Another One Bites the Dust" e de discos que marcaram sua carreira, com vislumbres da vida pessoal de seus integrantes. 
 
O título é bem bobo, mas serve para indicar onde se concentra o foco do livro: as mais de 500 imagens, entre fotos de arquivo pessoal dos integrantes, fotos de shows, reproduções de convites, panfletos, capas de disco, ingressos e outras preciosidades gráficas relacionadas ao Queen, como trechos de uma história em quadrinho da série "Rock N' Roll Comics", de Todd Loren.
 
A história do grupo é contada por meio de depoimentos de integrantes da banda, empresários, produtores e fãs ilustres, como Slash (Guns N' Roses), Rob Halford (Judas Priest) e Tommy Lee (Mötley Crue). A discografia completa ganhou resenhas inéditas de um time de jornalistas de música que atuam em grandes revistas especializadas e jornais, como "Mojo", "NME",  "Q Magazine", "The New York Times", "Billboard", "Spin" e outras. É pena que o texto original tenha sido desfigurado por uma tradução descuidada.
 
O livro não traz nenhuma grande revelação, mas o conjunto do material é testemunho da inventividade de um grupo único, que, em seus momentos mais inspirados, conseguiu levar ao grande público uma música ao mesmo tempo sofisticada e popular. O que não é pouca coisa.
 

QUESTIONÁRIO PROUST

Durante uma turnê pelo Japão, em 1975, os quatro intergantes da banda responderam a um questionário para a revista "Ongaku Senka". Segue abaixo a transcrição de uma das respostas mais significativas sobre a personalidade de cada um deles, já nos primeiros anos de carreira.

Pergunta – Qual o seu sonho?
John Deacon
– Molhado.
Brian May – Que todas as pessoas se entendam.
Roger Taylor – Ser rico, famoso, feliz, popular e tudo o mais que todo mundo quer ser, mas não admite.
Freddie Mercury – Continuar a ser a criatura divina e exuberante que sou.
NÃO DEIXE DE VER
Em maio deste ano, o canal britânico BBC transmitiu um documentário em dois capítulos "Queen: Days of Our Lives", sobre os 40 anos da banda. Dá pra assistir na internet (com legendas em espanhol).

Quem é fã do grupo não pode deixar de ver também o DVD duplo "The Making of 'A Night at the Opera'" (lançado no Brasil pela ST2), com os bastidores da gravação de um dos discos mais importantes da carreira do Queen e da história do rock.
A banda do início aos dias atuais
O Queen foi uma banda concebida e gestada no ambiente universitário londrino. O guitarrista Brian May era físico e fazia mestrado em astronomia. Roger Taylor, estudante de odontologia, chegou a ele por meio de um anúncio deixado no quadro de avisos na faculdade, que solicitava um baterista para formar uma banda.
 
Tempos depois, Freddie Mercury, aluno do curso de história da arte, apareceu, apresentado por um amigo comum. O baixista John Deacon, estudante de eletrônica, foi o último a se juntar ao grupo, a convite de May.
 
Por conta de seu ecletismo, a crítica nunca os levou muito a sério e nem os tratou com a mesma deferência concedida a outros artistas contemporâneos seus, como Led Zeppelin, David Bowie e Alice Cooper --embora todos esses tivessem admiração pelo Queen. 
 
No começo, a banda fazia uma música que não era nem heavy metal, nem progressiva, nem glam, embora flertasse com elementos desses estilos. Depois veio o punk, e o Queen era demasiadamente "musical" para aderir ao movimento dos três acordes. 
 
Nos anos 80, o grupo se aventurou pela discoteca e a dance music, e foi criticado por abandonar as raízes roqueiras. Além disso, Freddie Mercury era considerado pela imprensa musical inglesa como um cabeça oca arrogante e megalomaníaco. Enquanto a moda era a "anarquia" punk, ele declarava que sua "missão" era "levar o balé às massas".
 
Freddie foi o responsável também por transmitir à banda a sua obsessão com o universo gay sadomasoquista que ele tinha acabado de descobrir, no início dos anos 80, e imprimir o visual "couro e bigode" que ficou para sempre associado a ele e ao Queen. "Nunca fomos considerados um grupo da moda", declarou May recentemente a um programa da TV inglesa BBC, o que, para ele, foi uma vantagem para o grupo, que se sentiu mais "livre".
 
E o público adorava aquela variedade de estilos e visuais embalada com tamanha dramaticidade e um senso de humor peculiar. Os arroubos operísticos de "Bohemian Rhapsody", a interpretação à la Presley de "Crazy Little Thing Called Love", o romantismo delicado de "Love of my Life" ou o escracho de "Fat Bottomed Girls". 
 
Os fãs amavam sobretudo a persona espetaculosa e magnética de Mercury, com seus saltos acrobáticos, gestos exagerados e potência vocal a toda prova. Quando ele morreu, em 1991, de complicações de saúde decorrentes da Aids, há anos o Queen já não fazia shows --nem emplacava um grande sucesso nas paradas. 
 
Mesmo assim, 72 mil pessoas lotaram o show em sua homenagem, feito pelos remanescentes da banda com participações especiais (revezaram-se nos vocais Bowie, Liza Minnelli, Robert Plant e George Michael, entre outras grandes estrelas da época). Televisionado para 76 países, o show teve uma audiência estimada de cerca de um bilhão de pessoas. Números que combinam com a grandiosidade que marcou a trajetória do Queen.
 
Após a morte de Mercury, o baixista John Deacon deixou o grupo e a carreira musical --nem sequer compareceu à introdução da banda à Galeria da Fama do Rock em 2001. May e Taylor continuam a gravar e fazer shows, com a participação de Paul Rodgers nos vocais, e, mais recentemente, com o ex-"American Idol" Adam Lambert. 
 
E para 2012, o grupo promete o lançamento de faixas inéditas: duetos nunca antes lançados de Freddie Mercury com Michael Jackson, gravados no início dos anos 80. Como diz um dos maiores sucessos do Queen, "o show tem que continuar". 

TRECHOS DO LIVRO

"O Queen é uma banda que as pessoas amam ou odeiam, sem meio-termo - e tudo bem." (Roger Taylor, sobre seu grupo, em 1978)
"Querido, nós somos a banda mais sacana da Terra" (Freddie Mercury, à 'Melody Maker', em 1974)
"Às vezes, as pessoas acham que sou um ogro" (Freddie Mercury, em 1974)
"Ele podia ser muito doce e até modesto… e depois te arrancaria a cabeça" (Rob Halford sobre Freddie Mercury)
"A América do Sul foi uma aventura. As pessoas me diziam que não podíamos tocar em lugares grandes, que íamos ter prejuízo, que a gente não sairia de lá vivo" (Brian May sobre a turnê pelo Brasil e Argentina, em 1981)
"O produtor Mack arrastou-os para novas técnicas radicais (…) em 'Another One Bites the Dust', influenciada pela banda Chic, com base em loop de bateria, um piano primoroso, címbalos e palmas. (…) Roger Taylor odiou a canção. Disse: 'Isso não é rock and roll; que porra é essa que estamos fazendo?"
"Os exageros vazavam da música para a nossa vida e tornavam-se uma necessidade. Estávamos sempre tentando chegar a um lugar que jamais fora alcançado antes, e os excessos faziam parte disso" (Brian May sobre o estilo de vida da banda, no final dos anos 70)
"Certa tarde, quando o Queen estava trabalhando na sala de controle, Sid Vicious entrou tropeçando pela porta e disse a Freddie: 'Você já conseguiu levar o balé para as massas?'. Freddie levantou-se de forma casual, andou até Sid e fez um gracejo: 'você não é o Stanley Ferocious?'. Daí, pegou-o pelo colarinho e jogou-o para fora da sala" (Sobre o encontro entre o vocalista do Queen e o baixista dos Sex Pistols, enquanto as duas bandas dividiam um estúdio, em Londres)

"Queen - História Ilustrada da Maior Banda de Todos os Tempos"

Autor: Phil Sutcliffe
Editora: Globo
Páginas: 288
Preço: R$ 74,90
Fonte:UOL

0 comentários: