Alexsom

Alexsom

GLASTONBURY 2017

CALENDAR JAZZ

MONTREUX ACADEMY 2017

Colour Me Free! - Joss Stone

Amy Winehouse Foundation

PLAYING FOR CHANGE

sexta-feira, 16 de julho de 2010

SP vai receber 19 shows internacionais até novembro

Lauryn Hill toca no dia 7 de setembro.(Foto Divulgação)



Quem gosta de música internacional, de rock, new age a R&B, está dando pulos de alegria. No segundo semestre, é possível dizer, sem exageros, que São Paulo será a capital mundial da música. Serão 19 grandes apresentações internacionais na cidade. Os arredores também vão bombar com o festival roqueiro SWU Music & Arts Festival, em Itu, e com o R&B de Mariah Carey, em Barretos.

São atrações para todos os gostos e estilos, num curto espaço de tempo. Fãs do soul, por exemplo, poderão curtir Lauryn Hill, no dia 7 de setembro, e o rock do Scorpions, no dia 18 e 19. No mês seguinte, é a vez do punk do Green Day, no dia 20. Os californianos não são as únicas estrelas em outubro. No mesmo mês, num intervalo de 14 dias, haverá sete apresentações. E a diversidade de atrações é ainda maior.

A maratona em outubro começa com Bon Jovi no dia 6. No dia 8, é a vez do rock progressivo do Rush. Depois da paulada, um alívio, ao menos, para os olhos, com a mexicana Anahí, ex-RBD (10).

Na sequência, vêm Echo & The Bunnymen (11), The Cranberries (14), Alejandro Sanz (19) e, por fim, Green Day, no dis 20. Nesse meio tempo, nos dias 10 e 11, ocorre o festival SWU Music & Arts Festival, em Itu, a 70 Km de São Paulo, que trará um combo de Kings of Leon, Dave Matthews Band, Linkin Park e Incubus. Em novembro será a vez de Creedence Clearwater Revisited, no dia 20, e o Twisted Sister, no dia 27.

Para Marcelo Fróes, produtor e dono do selo Discobertas, esse fenômeno de shows tem uma explicação direta.

- É um reflexo da crise financeira mundial.

Fróes sustenta que a indústria da música internacional teve de readequar seus planos para uma nova realidade financeira.

- Eles começaram a negociar os shows e ficou mais fácil trazer esses artistas para países do Terceiro Mundo.

Diretor de shows internacionais da Time For Fun, responsável por viabilizar nove atrações (Rush, Lauryn Hill, Alejandro Sanz, Echo & The Bunnymen, Yanni, Stomp, Bon Jovi, Scorpions e The Cranberries), Alexandre Faria, pensa diferente.

- Acho que tudo isso é resultado do amadurecimento do mercado fonográfico da América Latina. Para trazer o Bon Jovi, por exemplo, tivemos de negociar por oito meses.

Para o público, é preciso ter bala na agulha para curtir. O ingresso mais caro, para o show de Yanni, vai custar R$ 850.

0 comentários: