Alexsom

Alexsom

GLASTONBURY 2017

CALENDAR JAZZ

MONTREUX ACADEMY 2017

Colour Me Free! - Joss Stone

Amy Winehouse Foundation

PLAYING FOR CHANGE

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Em seu quarto álbum, Hot Chip muda sonoridade - veja outros lançamentos

HOT CHIP - "ONE LIFE STAND"

Desde 2004, quando lançou o seu primeiro álbum, "Coming on strong", o Hot Chip vem apresentando mudanças significativas em sua sonoridade. "One life stand", o quarto disco da banda britânica, pode causar certo estranhamento aos fãs de "Made in the Dark" (2008), mas já valeria por uma música, apenas. A contagiante faixa-título remonta à malemolência dos primeiros discos do grupo sem deixar de apontar novas direções. De fato, o próprio Alexis Taylor declarou que o trabalho, em relação aos anteriores, havia sido feito com mais tempo. Apesar de carregar nos sintetizadores em algumas faixas ou em outros momentos resvalar no kitsch - como acontece na balada "Slush" -, "One life stand" gruda no ouvido com boas melodias. (LN)Gravadora: EMI


MASSIVE ATTACK - "HELIGOLAND"
O quinto álbum de estúdio do Massive Attack, "Heligoland", faz a espera de sete anos desde "100th Window" (2003) ter valido a pena. Logo na faixa de abertura, "Pray for rain", com participação de Tunde Adebimpe, do TV On The Radio, a banda deixa clara a vontade de se atualizar, mas sem apelar para concessões. O clima sombrio é o cartão de visitas perfeito para as nove faixas seguintes. A cantora Martina Topley-Bird, por exemplo, é quem conduz "Babel". A vocalista inglesa que ficou conhecida pelas parcerias com Tricky aparece ainda em "Psyche", duas das faixas mais "pop" do álbum, se é que se pode chamar assim. A coisa realmente esquenta quando o veterano Horace Andy dá as caras. O jamaicano, que canta com Grant Marshall e Robert Del Naja no single "Splitting the atom", supera as expectativas na densa "Girl I love you". (LÍGIA NOGUEIRA)Gravadora: EMI


RINGO STARR – “Y NOT”
Existe uma teoria que diz que Ringo Starr era o Beatle mais importante. É de se pensar, afinal ele não tinha nada que justificasse sua posição no meio de tantos gênios. Ringo é o representante do homem comum e sem tantos talentos chegando ao topo do mundo. “Y not” é o 15º disco solo do narigudo baterista, e não deve decepcionar aqueles que sabem o que procurar em um disco dele. Afinal, Starkey não é grande compositor, menos ainda cantor, mas sabe agradar quem gosta de um bom folclore. A produção do álbum soa um tanto datada. Não datada pelos anos 60, e sim como uma indesculpável aura musical da década de 80. Ainda assim, rende momentos de beleza, como “Walk with you”, ou puras besteiras divertidas, como “Who’s your daddy”.(AMAURI STAMBOROSKI)Gravadora: Universal

0 comentários: